PEJOTIZAÇÃO DA MEDICINA

PEJOTIZAÇÃO DA MEDICINA

5 de outubro de 2021 Sem categoria 0

 O que é a pejotização do trabalho médico?

Consiste em uma estratégia adotada por empresas que ocorre quando o empregador mantém empregados em regime de pessoa jurídica, ou seja, o que deveria ser uma relação de contrato de trabalho regida pela CLT passa a ser uma prestação de serviço, logo, um vínculo entre empresas. É utilizado como um método de diminuição de encargos trabalhistas para a empresa e, também, como uma maneira de dar autonomia para o trabalhador. Dessa maneira, a principal diferença entre o trabalho exercido por uma pessoa física e uma pessoa jurídica é que a primeira obedece e aos cinco requisitos para a formação de vínculo empregatício, que são: 

NÃO EVENTUALIDADE: Ocorre quando o contrato fixado entre o empregador e o empregado resulta em uma prestação de serviço contínua. Não necessariamente isso se trata de um regime de trabalho diário, podendo ser também semanal, quinzenal, mensal; desde que seja algo rotineiro.

SUBORDINAÇÃO: Se dá quando o empregado tem o dever de se resignar às ordens do empregador. Dessa maneira, cabe ao empregador obedecer a gerir, orientar, fiscalizar e,  se for o caso, punir o empregado.

ONEROSIDADE: Corresponde ao valor recebido em troca da atividade exercida pelo trabalhador, ou seja, há uma reciprocidade de obrigações entre empregado e empregador.

PESSOALIDADE: Esse requisito veda ao trabalhador transferir a outrem o seu dever de exercício de trabalho, sob o risco de descaracterização do vínculo trabalhista.

ALTERIDADE: Os riscos do negócio dizem respeito somente aos empregadores, assim, independente da saúde financeira da empresa, o empregado segue tendo direito ao recebimento do seu salário e das suas garantias.

Assim, para  melhor compreender o que a relação da pejotização com a quebra do vínculo empregatício é importante lembrar quais as diferenças entre PESSOA JURÍDICA e PESSOA FÍSICA quanto a relações trabalhistas.

A pejotização é ilegal?

A resposta para essa questão é NÃO, a pejotização é prevista pela Lei 6.019/17, todavia, o legislador elaborou determinados critérios para que a pejotização seja lícita, como: 

  • Possuir inscrição no Cadastro Nacional da Pessoa Jurídica (CNPJ);
  • Estar registrado na Junta Comercial;
  • Possuir capital social compatível com o número de empregados

Ainda, quanto à questão do capital social, a legislação impõe valores mínimos de forma proporcional à quantidade de empregados da empresa.

Todavia, vale lembrar que apesar da pejotização ser prevista em lei ela pode vir a se tornar ilícita, isso porque se for comprovado que a pessoa jurídica exerce o trabalho com habitualidade, subordinação, salário fixo e pessoalidade, ou seja, dentro dos mesmos padrões de relação de emprego isso significa que o empregador apenas se utilizou da pejotização como meio de diminuir as tributações que recairiam sobre esse se o contrato fosse feito como pessoa física. Essa maneira de utilização da pejotização é considerada fraude. 

Outro ponto que é vedado pela legislação em relação a pejotização é que as empresas são impedidas de demitir pessoas físicas para em seguida às contratar como pessoa jurídica, caso ocorra a demissão o empregado é proibido de prestar serviços como pessoa jurídica para a empresa nos próximos 18 meses após a demissão.

Problemas causados pela pejotização do trabalho médico.

  • Dano aos direitos trabalhistas

Quando se é empregado com o devido registro na carteira de trabalho, o profissional tem garantia de acesso a todos  os direitos trabalhistas previstos na Consolidação de Leis Trabalhistas (CLT), como: 13° salário, FGTS, hora extra, licença maternidade, férias, seguro desemprego, entre outros. No caso de dispensa, o trabalhador tem direito, ainda, a receber verbas rescisórias.  Todavia, quando a relação passa a ser entre pessoas jurídicas (prestação de serviço) nada garante o alcance a esses direitos.

  • Demora na entrega da remuneração

Como visto acima, o requisito trabalhista da alteridade obriga o empregador a manter a remuneração do empregado em dia, independentemente de qualquer problema financeiro que a empresa esteja passando. Todavia, em casos em que o trabalhador é pessoa jurídica as consequências legais para atraso na remuneração acabam sendo mínimas se comparado com as que ocorrem em relações de trabalho. Por isso, é comum a existência de médicos que atuam como pessoa jurídica apresentarem atraso na remuneração, o que é muito menos corriqueiro quando se trata de médicos que trabalham como CLT.

  • Vigilância assídua da Receita Federal

É evidente que o fenômeno da pejotização acarretou em uma diminuição no valor recolhido pela Receita Federal, por isso a instituição em conjunto com o Ministério Público do Trabalho tem investigado com muito mais rigor a questão. Dessa maneira, se comprovado que a Pessoa Jurídica foi uma estratégia utilizada para maquiar uma relação de trabalho que obedece a todos os requisitos necessários e que deveria estar sendo regida pela CLT, a Receita irá desmantelar a Pessoa Jurídica e avaliar todos os valores recebidos no período, a partir disso irá tributar o valor da diferença, porém não mais como PJ mas sim como Pessoa Física, o que também leva a inclusão do Imposto de Renda e as devidas contribuições previdenciárias. Ou seja, mesmo que o médico tenha sido compelido a se tornar PJ para poder exercer o seu trabalho, no fim das contas terá que arcar com todos os tributos supracitados se for descoberta a ilegalidade da pejotização.

  •  Transferência de responsabilidade

Quando o médico se torna Pessoa Jurídica ganha status de empresa, por isso passa a integrar uma cadeia de consumo onde o seu paciente se torna seu consumidor. Assim,  quando se tratar de danos extra médicos ou paramédicos ,  que são casos onde os danos ocorrem por questões estruturais do hospital/clínica ou são causados pela equipe que executa as ordens do médico, a responsabilidade sob os malefícios, em tese, recairia somente sobre os hospitais, todavia, em consequência da pejotização, acaba o médico se tornando responsável também de forma subsidiária. Essa situação não aconteceria caso o médico fosse CLT, uma vez que o responsável por essa relação é o dono da empresa para qual o médico trabalha.

  • Desvio de função

Quando o trabalhador é contratado sob o regime da CLT suas atividades ficam restritas ao cargo que irá exercer. Porém, quando se trata de contrato entre pessoas jurídicas nada garante essa estabilidade de funções. Em vista disso, é corriqueiro na área da saúde que profissionais contratados especificamente para atuarem em serviços médicos acabem exercendo atividades com outras atribuições sem qualquer relação com o que de fato é o seu cargo. Um exemplo é o médico contratado via PJ para prestação de serviços médicos porém em determinado momento passa a exercer funções de gerência como a de Diretor Clínico, onde o médico passa a organizar as escalas dos outros profissionais do hospital. Vale salientar que é comum que o profissional não receba nada a mais do que o contrato inicial garante pelo trabalho executado não previsto no contrato.

  • Assédio moral

Como dito anteriormente, a pejotização vem sendo uma manobra exigida pela empresa para que se contrate o médico, o que acaba se tornando a única via encontrada pelo médico para exercer suas atividades. Ou seja, o mercado de trabalho para os médicos padronizou essa estratégia, dessa maneira, a pejotização se tornou, culturalmente, o principal método de contrato de trabalho para médicos. Ocorre que essa imposição é entendida como assédio moral, uma vez que afeta diretamente questões como dignidade, honra e integridade psíquica, já que a pejotização afeta diretamente a maneira como se dará o exercício do trabalho do médico. Como se pode observar no julgado abaixo: 

PEJOTIZAÇÃO. EXIGÊNCIA DO EMPREGADOR PARA QUE O TRABALHADOR CONSTITUA PESSOA JURÍDICA COMO CONDIÇÃO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS. INVALIDADE. ARTIGO , DA CLT. RECONHECIMENTO DO VÍNCULO EMPREGATÍCIO. O sistema jurídico pátrio considera nulo o fenômeno hodiernamente denominado de “pejotização”, neologismo pelo qual se define a hipótese em que o empregador, para se furtar ao cumprimento da legislação trabalhista, obriga o trabalhador a constituir pessoa jurídica, dando roupagem de relação interempresarial a um típico contrato de trabalho o que exige o reconhecimento do vínculo de emprego. ASSÉDIO MORAL. “ROUPAGEM”. O assédio moral, ou, ainda, manipulação perversa, terrorismo psicológico, caracteriza- se por ser uma conduta abusiva, de natureza psicológica, que atenta contra a dignidade psíquica do trabalhador, expondo-o a situações humilhantes e constrangedoras, capazes de causar-lhe ofensa à personalidade, à dignidade ou à integridade psíquica. O assédio moral é concebido como uma forma de “terror psicológico” que pode ser praticado pela empresa ou pelos próprios colegas. A necessidade de obtenção de lucro não se sobrepõe à honra, imagem, intimidade e dignidade da pessoa humana, princípios constitucionais que norteiam a nossa sociedade e cujo zelo compete a todos os cidadãos brasileiros. No caso em tela o “assédio” restou configurado na “roupagem”, de exclusão da “posição da empregada no emprego”, deteriorando seu ambiente de trabalho. Portanto, sempre que o trabalhador, em razão do contrato de trabalho, por ação ou omissão do empregador, sofrer lesão à sua dignidade, honra, ou ofensa que lhe cause um mal ou dor (sentimental ou física) causando-lhe abalo na personalidade ou psiquismo, terá o direito de exigir a reparação por danos morais e materiais decorrentes da conduta impertinente. Nesse sentido dispõem os artigos 186 e 927 do CC de 2002. (TRT 2ª R.; RO 0233100-21.2009.5.02.0048; Ac. 2012/0933661; Quarta Turma; Relª Desª Fed. Ivani Contini Bramante; DJESP 24/08/2012) – destacado

Portanto, caso você esteja encarando problemas quanto a pejotização e tendo seus direitos trabalhistas desrespeitados ou esteja sendo compelido dentro a aderir a PJ entre em contato conosco ou mande seu caso para obter uma análise feita por profissionais especialistas no assunto. 

  

ENVIE SEU CASO PARA ANÁLISE

Relate seu caso para que seja  analisado por advogados especialistas.

Verificaremos a viabilidade da sua demanda.

Obtenha a análise
Abrir chat
Precisa de ajuda?
Olá, como posso ajudar?
Powered by